quinta-feira, 23 de setembro de 2010

O candidato Tiririca

Recebi hoje por e-mail uma cartilha distribuída pelo Tiririca, na qual ele se apresenta ao eleitor e expõe suas "propostas" para o mandato, caso seja eleito deputado federal.

A candidatura de Tiririca e a quase certeza de sua eleição com votação maciça vem provocando diversos protestos e críticas. Como um sujeito como Tiririca pode ser deputado federal? Não tem nenhum preparo, não tem instrução, não tem base alguma para representar quem quer que seja na Câmara dos Deputados! Basicamente isso que se diz. Pois bem. Vejam o texto da cartilha que apresenta Tiririca, contando sua história de vida:


Observem que ele se vale de sua origem humilde e que, em virtude dessa origem, conhece bem os problemas dos menos favorecidos e é capaz de "cuidar" deles. Discurso absolutamente igual ao de Lula e de todo e qualquer político que teve infância pobre. A diferença é que Tiririca cativava o povo no picadeiro do circo ou no palco e Lula em cima de um palanque.

Quanto ao fato de ser neófito, sem qualquer experiência no exercício de cargos eletivos, bem... a candidata lider das pesquisas não é muito diferente.

O que, portanto, há tão errado com a candidatura e a certa eleição de Tiririca? Em que ele é tão diferente de tantos outros cuja candidatura é considerada "legítima" ou "adequada"? Por que só quem vai votar no Tiririca é "burro" ou inconsequente?

Não estou defendendo que Tiririca seja uma boa opção para deputado federal (principalmente porque seu partido compõe a coligação da qual PT e outros partidos mais à esquerda fazem parte, o que significa que sua imensa votação carregará um monte de pérolas para a Câmara).

O que defendo é que, apesar de seu slogan e sua própria persona, certamente fará muito menos mal ao país do que vários outros que se elegerão. Mesmo porque, na Câmara, estará muito mais sob os holofotes do que quase qualquer outro.

Ademais, boa parte dos que pretendem votar em Tiririca o farão de palhaçada. Nada mais justo que sejam representados no congresso por um palhaço que, pelo menos, reconhece-se como tal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário