domingo, 5 de setembro de 2010

Antissemitismo na Venezuela ou uma história que nunca envelhece

Mais uma no Haaretz:

"Venezuela's Jews turn to Chavez over state media's anti-Semitism - Verbal, written attacks in Venezuelan media include hints that Jews are damaging the country's economy, along the lines of the 'The Protocols of the Elders of Zion".

Como todos sabemos (eu até falei a respeito em post anterior), a economia venezuela, em virtude das maravilhas da revolução bolivariana, está em frangalhos. Inflação, desemprego, desabastecimento, criminalidade...

E, como sempre acontece, quando a vaca vai pro brejo, os judeus são os primeiros a sofrer. A velha história da conspiração munidal dos judeus para dominarem o mundo sempre emerge quando as promessas de um governo (que nem sempre, mas frequentemente, é ditatorial) revelam-se como um mentira. Com efeito, desde que Chavez assumiu o poder na Venezuela, a comunidade judaica do país minguou. E não foi só porque Chavez saiu estatizando empresas, mas porque o antissemitismo de fato cresceu por lá.

Agora que o fracasso econômico e social (controle político ele ainda tem) do regime de Chavez está cada vez mais claro, não impressiona que a imprensa (controlada pelo governo) volte ao velho discurso antissemita. O que também confirma o que sempre digo: antissionismo e antissemitismo são duas faces da mesma moeda, diferentemente do que muitos (inclusive vários judeus) pensam. Afinal de contas, não é só o Lula que considera Ahmadinejad um "amigo", por quem tem grande "carinho". Chavez também.

Esse modelo Chavista de controle estatal da imprensa (além de outras coisinhas como controle total do judiciário e do legislativo pelo presidente, reeleições ad eternum) é o sonho dourado do PT. No que se refere ao controle estatal da imprensa - em outras palavras, censura - é raro o dia em que o ministro Franklin Martins não discursa nesse sentido. E esse controle da mídia consta do programa de governo da Dilma que ela assinou e protocolou no TSE.

Um dos fatores que levou a Venezuela à beira da bancarrota (apesar de suas imensas reservas de petróleo) foi a estatização (que aqui está sendo feita veladamente através do BNDES e dos fundos de pensão de estatais, que são controlados pelo PT e pelos sindicatos a ele vinculados) e o aparelhamento do Estado pelos "companheiros". Por aqui, estamos trilhando o mesmo caminho.

O que está acontencedo na Venezuela não deve servir de exmplo apenas para os judeus. Deve servir de exemplo para todo mundo que não quer viver no paraíso bolivariano que se está tentando implantar no Brasil.

Um comentário:

  1. É dificil...http://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-3953458,00.html

    ResponderExcluir