quarta-feira, 9 de junho de 2010

Adriano, Vagner Love e a política externa brasileira

O atacante Adriano, que acabou de se transferir do Flamengo para a Roma, está sendo alvo de inquérito policial que investiga eventuais ligações suas com traficantes da Vila Cruzeiro, favela onde o jogador cresceu e com a qual mantém vínculos até hoje. Além disso, houve repercussão negativa na imprensa sobre fotos em que Adriano aparece fazendo com as mãos o símbolo do Comando Vermelho e outra em que aparece segurando uma metralhadora de brinquedo. Diz-se que, como pessoa pública, essa suposta ligação sua com traficantes é um mau exemplo para a sociedade, que um atleta não deve se misturar com criminosos, etc. O mesmo foi dito sobre o jogador Vagner Love quando, semanas atrás, foi visto em um baile funk ao lado de criminosos fortemente armados.

O pensamento que está por trás do repúdio à aparição de jogadores de futebol ao lado de criminosos é o velho dito "dize-me com quem andas e eu te direi quem és".

Partindo desse contexto, o que dizer do Brasil e sua política externa sob o égide do governo do Lula? Hoje o Conselho de Segurança da ONU votou novas sanções contra o Irã. 12 votos a favor das sanções; 2 contra, de Brasil e Turquia. Até o Líbano (fortemente influenciado pela Síria que, por sua vez, é amiga de infância do Irã) não votou contra, mas absteve-se.

Consolida-se a guinada da Turquia de um regime razoavelmente secular e mais ou menos democrático em direção ao radicalismo islâmico.Consolida-se, ainda, o apoio brasileiro ao regime ditatorial e terrorista do Irã. Assim como já consolidado o apoio aos irmãos Castro, a Hugo Cháves, Evo Morales e vários outros ditadores, autocratas e aí por diante.

Se o Vagner Love vai ao baile funk; se Adriano faz o símbolo do Comando Vermelho, a casa cai. O Brasil, porém, frequentar o baile funk do MC Ahmadinejad e usando a indumentária dos Vermelhos cubanos, venezuelanos e congêneres, tudo bem, né? Mesmo porque o boné vermelho do MST, o Lula já usou.

Dize-me com quem andas e te direi quem és. Os traficantes do Rio de Janeiro não ficaram nem mais nem menos fortes com as aparições dos futebolistas mencionados. Da mesma forma, a foto do Brasil segurando a metralhadora de briquedo ao lado do Ahamdinejad não impediu a aprovação das sanções pela ONU. Mas, assim como causa espanto jogadores famosos se misturando a criminosos, causa temor (sem contar a náusea) o Brasil alinhando-se com ditaduras que prendem e assassinam opositores e/ou que advogam abertamente a destruição de um país soberano e reconhecido internacionalmente. Se Adriano quer ser amigo de traficante, o problema é dele (desde que com o traficante não se associe para cometer crimes); mas se Lula, com sua política externa, quer ser amigo do Irã, o problema é nosso. De tanto o presidente nos levar ao baile funk do MC Ahmadinejad, cada vez maior o temor de que sejamos nós que dançaremos ao som do pancadão.

3 comentários:

  1. Lo seus posts a achei legalzinho.
    =)
    abs
    Rozenbaum
    keep going my friend!

    ResponderExcluir
  2. Palmas!
    concordo em gênero, número e grau...
    bj,
    Aninha

    ResponderExcluir
  3. Concordo com os apontamentos. Muito legal o blog, excelente iniciativa. Abraços, Rafito

    ResponderExcluir